Ordem Rosacruz
Uma Antiga Sabedoria para um Mundo Novo

Dia Mundial de Limpeza de Rio e Praias


A Ordem Rosacruz – AMORC participou ativamente da ação do Dia Mundial de Limpeza de Rio e Praias

A Ordem Rosacruz, AMORC é comprometida com ações de conscientização ambiental e, pela quarta vez, participou ativamente da ação do “Dia Mundial de Limpeza de Rio e Praias”. Um dia dedicado a retirar lixos dos rios marcou o sábado dia 21 de setembro, e o escolhido foi o Rio Atuba. Com organização da ONG Ocean Conservancy, todo o lixo coletado pelos voluntários é catalogado, pesado e fotografado. Depois de compilados esses dados são mandados para o Centro de Conservação dos Oceanos (Ocean Conservancy) para análise estatística que será encaminhada para a ONU, responsável pela Comissão Intergovernamental Oceanográfica (IOC).

Essa ação faz parte de um movimento internacional (International Coastal Cleanup) que reúne voluntários em todo o mundo para a conscientização da importância da conservação de rios e praias. O mutirão de limpeza dos rios e praias faz parte de um programa de educação ambiental que mobiliza milhares de pessoas em todo o planeta e é realizado em mais de 100 países.

Para o colaborador Luciano Bastos, a Ordem Rosacruz atua ativamente em apoio ao evento assumindo responsabilidades como patrocinador e com um número expressivo de voluntários para a ação, “a sede da Ordem é o ponto de encontro onde todas as pessoas envolvidas com a ação se encontram. Aqui é oferecido o café da manhã, realiza-se a organização para o credenciamento e é o ponto de partida do deslocamento até o local da ação”, explica Luciano.

O Dia Mundial de Limpeza de Rio e Praias reforça o compromisso da AMORC com o Pacto Global da ONU e a Carta da Terra. A participação da AMORC é orientada através do projeto dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis – ODS em prol do meio ambiente que sustenta o compromisso da AMORC com o Planeta. E neste ano foi possível incluir um dos projetos dos ODS da AMORC (Grupo D – Limpeza do Rio Atuba) na ação. “O objetivo deste trabalho além de contribuir com uma meta global é, sem dúvida, mostrar que, muito mais que belas palavras, é fundamental uma ação prática e voluntária. Pensar e fazer é um compromisso de todos!”, ressaltam os colaboradores frisando a importância de se trabalhar em equipe para alcançar um resultado positivo e satisfatório. Todos os representantes do Grupo D – Limpeza do Rio Atuba, dos trabalhos dos ODS da AMORC, estiveram presentes e comprometidos com o evento. Para eles foi muito importante poder contribuir com esta ação envolvendo um trabalho que já está sendo desenvolvido há meses na organização com uma atividade que inclui outras instituições.

Cerca de 180 pessoas, entre voluntários e organizadores, participaram desta ação e a quantidade de lixo retirada do Rio Atuba foi de 2,8 toneladas em 2,5 km percorridos. Itens de higiene pessoal, sacolas e sacos, embalagens de alimentos, garrafas PET e garrafas em geral, foram retirados de dentro do rio. Porém o que mais chamou a atenção dos voluntariados nesta ação foi a coleta de alguns itens exóticos como: sofás, louças, vaso sanitário, pneus, cadeiras de escritório, roupas e tecidos.

Impressiona o fato de ver tanto lixo descartado incorretamente, mas é necessário fazer ações nesse sentido para conscientizar as pessoas de que é importante cada uma fazer a sua parte e descartar corretamente o seu lixo. “Certamente evitar o descarte de qualquer tipo de lixo, por menor que seja, em locais não apropriados, já ajuda. As sacolas e tecidos quando encontram pedras ou galhos nas beiras de rios se tornam uma rede de acúmulo de muitos outros resíduos”, ressalta Luciano que foi voluntário em todas as ações que a Ordem Rosacruz participou. Para ele é animador o crescimento de voluntários a cada ano em que acontece o mutirão, esforço que não termina ao final do dia do evento e que também não pode ser limitado somente em um trabalho coletivo, mas sim, diário e individual.

O trabalho de conscientização deve surtir efeito na comunidade para a diminuição de descarte de resíduos nos rios, mares, vias fluviais e na natureza com um todo, evitando por fim poluição, contaminação e diversas consequências já conhecidas, pois tais componentes prejudicam a vida nesses ambientes e impactam diretamente no equilíbrio da natureza. É um trabalho que deixou de ser preventivo, mas sim, necessário por conta das consequências atuais. “O planeta anseia por uma atitude da humanidade: façamos individualmente o nosso papel preventivo e corretivo com compromisso e em colaboração”, finaliza Luciano.