ORDEM ROSACRUZ - AMORC
Uma Antiga Sabedoria para um Mundo Novo

Sentinelas de bem-aventurança

R E V E L A Ç Ã O - I N S P I R A Ç Ã O - I L U M I N A Ç Ã O

1.637

Por  HILTON NEVES FILHO, FRC

“Invocado ou não, Deus está presente”. – Adilson Rodrigues, FRC

 … assim, tenhamos consciência ou não, Deus é hodierno em nossos fenômenos”.

Com insistência, Deus nos remete recados de todas as formas e meios possíveis. Porém, de modo particular, nos fala mais diretamente por três vias principais: pelos sonhos, pela intuição e em resposta às nossas orações.

Quando pelos sonhos, é revelação;

Quando pela intuição, é inspiração;

Quando pela oração, é iluminação;

Essas três vias ocorrem segundo nosso cotidiano trânsito entre o estado de atividade e o de passividade.

A revelação

A revelação exige passividade: o Criador aproveita o turno em que nossa inquieta mente objetiva está desligada e, independente da nossa vontade, envia uma mensagem simbólica.

O termo significa “tirar o véu” e mostrar algo que estava encoberto. Portanto, na revelação, Deus, através dos sonhos, retirando o véu da obscuridade, indica o que antes era desconhecido para a mente humana sendo, sem dúvida, uma forma de contato que se realiza diária e permanentemente.

Embora todos sonhem mais de uma vez por dia, muitos não se recordam disso. Contudo, recuperadas essas memórias ou não, o sonho irá produzir seus efeitos sobre o homem.

Como os batimentos cardíacos e os movimentos dos intestinos, o sonho é uma função autônoma tão importante quanto as outras, pois compensa, reequilibra e regenera.

Via de regra, o que acontece oniricamente acaba acontecendo na vida real, exatamente por se tratar de presciência que não poderia ser indicada de qualquer outra forma.

A inspiração

A inspiração exige os dois polos pois, se por um lado precisamos da passividade para que ela se manifeste, é necessário querer “ouvir” e estar atento para receber a mensagem.

O termo vem do latim “inspiro”, que se traduz em “soprar para dentro”. “Inspiração” significa que repentinamente Deus soprou a possibilidade da ocorrência de determinado fato para dentro do homem.

A inspiração parece ser intermitente e está ligada à comunicação de uma real possibilidade fatual.

A iluminação

A iluminação exige atividade. Com o emprego do desejo e da vontade, buscamos, rogamos ou suplicamos algo pela via da oração e o Criador, atendendo, faz com que aflore uma resposta adequada à nossa compreensão.

Iluminação deriva do latim “iluminare”, que também significa inspirar ou orientar.

Iluminação é o processo pelo qual Deus aclara e infunde Luz sobre as questões e desígnios do suplicante.

A iluminação pode ser permanente e admite gradação ditada pelo discernimento de cada um.

Conclusão

Partindo dessas abordagens, vislumbra-se um propósito Divino comprometido com a prosperidade do homem no mais amplo sentido, pois, tenhamos consciência dessas coisas ou não, guiando-nos, Deus interfere contribuindo de todas as formas para o nosso crescimento, sendo, assim, nossa verdadeira sentinela de bem-aventurança.